Laboratório

Você sabe o que é capela de exaustão?

Muitas vezes, profissionais que trabalham em laboratórios precisam lidar com reações químicas de risco. Algumas delas podem resultar em gases tóxicos e/ou irritantes, ou mesmo no respingo de líquidos que podem ser prejudiciais à saúde.

Por conta disso, é fundamental que eles contem com as ferramentas de segurança adequadas para realizar o seu trabalho.

capela de exaustão é um deles. Presente em praticamente todos os ambientes laboratoriais, ela permite que as reações aconteçam em um ambiente controlado, sem representar risco aos profissionais responsáveis por elas. Aprenda mais a respeito deste importante equipamento a seguir.

O que é a capela de exaustão?

Feita de metal, vidro ou acrílico, a capela de exaustão de gases é um recipiente que, graças aos materiais que o compõem, pode isolar certas reações químicas.

Seu formato, assemelhado ao de um forno, impede que seus produtos deixem o recinto, eliminando o risco de reações adversas nos profissionais do laboratório, tais como:

  • Inalação de gases tóxicos;

  • Contato de gases com os olhos;

  • Contato de substâncias com a pele;

  • Respingo de líquidos;

  • Queimaduras;

  • Contato com corrosivos.

Para que serve a capela de exaustão?

Ela é um elemento de segurança, narrando o contato entre os profissionais dos laboratórios e substâncias potencialmente prejudiciais.

Isso faz com que ele seja confeccionado em materiais resistentes a diversos tipos de danos, como a oxidação. Assim, seu corpo metálico normalmente é feito de metal.

Além disso, ela conta com um mecanismo que se assemelha a uma coifa de cozinha. Isso, por sua vez, evita que o ambiente fique tomar o por fases que prejudiquem o conforto e a visibilidade.

Como funciona a capela de exaustão?

capela de exaustão funcionamento é extremamente simples. O primeiro passo é colocar a mistura em seu interior, e, em seguida, manter a porta fechada.

Em seguida, ativa-se o mecanismo de exaustão, que puxa os eventuais gases gerados na reação para fora. Por fim, quando os profissionais certificam-se de que não há perigo, pode-se abrir a porta e remover a vidraria.

Quais modelos de capela de exaustão existem?

Não existe uma única capela de exaustão de gases para laboratório: há vários modelos diferentes no mercado, cada qual com suas variáveis.

A primeira delas é a capacidade de vazão: quanto mais alta ela for, mais capaz será de puxar os gases gerados pela raça ao para fora.

Uma de 15 metros cúbicos por minuto será mais eficiente que uma de dez, por exemplo. Porém, é preciso ficar atento: enquanto alguns fabricantes listam a vazão por minuto, outros o fazem por hora. Deste modo, quando a mensuração variar, será preciso fazer a conversão.

Outro fator que pode ser diferente de um modelo para o outro é o material usado para confeccionar a porta: ele pode ser tanto o acrílico quanto o vidro. Este último é a opção mais nobre, resistente e pesada – e, consequentemente, mais cara. Porém, suas vantagens fazem o investimento valer a pena.

Além disso, também é possível adquirir uma capela de exaustão de pó. Como seu próprio nome diz, seu objetivo é barrar não a emissão de gases, mas de partículas de pó – que podem ser igualmente prejudiciais aos profissionais que são responsáveis pela realização da reação.

Quais cuidados tomar com a capela de exaustão?

Capela de exaustão preço pode ser bastante elevado. Portanto, é imprescindível que ela seja utilizada do modo adequado. Porém, não há normas regulamentadoras (NRs) em vigor a respeito do uso no Brasil: são usados documentos editados internacionalmente, que sugerem a adoção de certas boas práticas.

Elas têm como objetivo tanto preservar a integridade física dos profissionais que manipulam este equipamento quanto alongar sua durabilidade o máximo possível.

Antes de tudo, é preciso levar em consideração que ela é um item de segurança. Deste modo, por mais que o seu formato seja o ideal para o armazenamento de itens – como o de vidrarias – isto é inadequado.

Da mesma forma, é fundamental que ela seja mantida a uma certa distância de obstáculos, com bancadas e pontos de apoio em geral. Normalmente, recomenda-se que o afastamento seja de no mínimo 15 centímetros, de modo que o caminho fique livre.

Da mesma maneira, por questão de segurança, antes do uso, é fundamental assegurar-se de que a porta esteja bem fechada. Do contrário, pode haver o escape de gases durante a reação.

Por fim, higienizar o equipamento é fundamental para a sua preservação. Contudo, deve-se evitar o uso de abrasivos, que podem danificá-lo.

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *