Terceira Idade

Você já conhece de tudo para cuidar dos mais velhos?

A chegada da melhor idade é bastante esperada ao longo da vida. Muitos planejam estar com uma vida estável e tranquila, não precisando se preocupar muito em resolver assuntos urgentes e que dão dor de cabeça.

Infelizmente, para muitos essa fase não chega como foi imaginado. Alguns idosos necessitam de certa atenção especial para garantir que os seus últimos anos sejam os menos sofridos possíveis.

As pessoas que estão ao redor de seus entes queridos, em algumas vezes, não têm muitas noções de cuidados paliativos para idosos, porém, há algumas noções básicas que são bastante importantes na hora de tentar ajudar.

O que é paliativismo?

O maior objetivo dessa prática é oferecer qualidade de vida a quem já está em sua fase terminal, de modo que o paciente possa passar os últimos momentos de sua vida com dignidade. A assistência é um serviço humano que pode tornar esse instante mais prazeroso para aqueles que mais necessitam.

Este conceito pode ser aplicado para qualquer faixa etária, embora seja mais comum que aconteça pensando especialmente em idosos, uma vez que a maioria das enfermidades ocorrem nessa fase.

Como oferecer cuidados paliativos para idosos?

Para entender isso, é importante saber do que o idoso precisa, porém é bastante provável que seja um conjunto de assistência médica e psicológica.

A primeira, para tratar as condições físicas e biológicas pelas quais ele está passando, enquanto a segunda serve para auxiliá-lo em todo o processo de entender o que está acontecendo.

Essa equipe interdisciplinar é formada, portanto, por médicos, enfermeiros, psicólogos, nutricionistas, assistentes sociais, entre outros profissionais.

Além deles, obviamente o acompanhamento familiar é fundamental para que essa etapa seja menos dolorosa. Às vezes, além de ajuda profissional, o idoso também requer um pouco de atenção emocional.

Um dos problemas do cuidado paliativo é que ele começa quando já está tarde demais. O ideal seria buscar um acompanhamento especializado muito antes de algum diagnóstico terminal, pois isso muitas vezes poderia reverter a situação.

Em um caso de derrame pleural, por exemplo, que acontece quando há um acúmulo atípico de água nas pleuras, próximo ao pulmão, estar atento aos sintomas poderia ter evitado a doença.

Se o paciente teve pneumonia, tuberculose, embolia pulmonar, cirrose hepática ou artrite reumatoide, a atenção deveria ter sido redobrada. Ainda seguindo esse exemplo, o ideal teria sido procurar clínicas de pneumologista para derrame pleural logo na fase inicial.

De qualquer forma, a boa aplicação das técnicas de paliativismo podem acabar aumentando a expectativa de vida do idoso em fase terminal. Ele não estará curado, sim, mas ao menos a tentativa de melhorar o seu quadro médico foi bem sucedida.

A auto-estima também conta

Quando o paciente está em fase terminal, mas não tem a necessidade de ficar ligado a uma cama, é comum que ele se olhe no espelho e comece a demonstrar desgosto pela sua própria aparência.

Os tratamentos químicos são puxados e podem mudar completamente o aspecto da pessoa, tornando-a pálida, com olheiras, entre outras coisas.

É importante conseguir trabalhar para deixá-la ao menos contente com o seu físico. Penteie o seu cabelo, pinte suas unhas, compre uma roupa bonita para ela.

Aquele tratamento para gordura localizada no braço que ela sempre quis pode não ser a melhor coisa a se fazer devido às limitações que ela possa ter por conta do seu quadro médio, porém sempre há maneiras de conseguir fazer alguma coisa.

Agendar algumas sessões de massagem modeladora, por exemplo, podem ser uma boa solução. Além da sensação de estar cuidando de si esteticamente, o idoso ainda poderá relaxar um pouco.

A prevenção é o melhor cuidado

Quando se trata de idosos, não se pode esperar algo acontecer para cuidar. Os tratamentos paliativos são extremamente importantes, mas são utilizados quando já não há mais o que fazer.

Enquanto ainda não há nenhum problema aparente de saúde, é importante seguir alguns passos:

  • Fazer exames de rotina e procurar médicos especialistas;
  • Manter uma alimentação balanceada;
  • Praticar atividades físicas regularmente;
  • Evitar situações estressantes;
  • Dar atenção a cuidados relacionados à higiene.

Mesmo que a prevenção não seja uma garantia de uma vida longa e saudável, não deixe de agregá-la à rotina de quem você ama. E, se for o caso, recorra a profissionais que oferecem cuidados paliativos para que o sofrimento seja o menor possível.