Tratamentos para Câncer Cervical: Contexto e Cuidados
Exames

Tratamentos para Câncer Cervical: Contexto e Cuidados

O câncer cervical, também conhecido como câncer do colo do útero, é uma condição de saúde que afeta milhares de mulheres em todo o mundo. 

Neste artigo, vamos explorar em detalhes os tratamentos disponíveis para o câncer cervical, fornecendo informações importantes para as pacientes.

Entendendo o Câncer Cervical

Para discutir adequadamente os tratamentos do câncer cervical, é muito importante primeiro entender o que é essa doença, sua anatomia e fatores de risco associados.

O câncer cervical se origina no epitélio do colo do útero, parte inferior do útero que se conecta com a vagina. Ele normalmente se desenvolve lentamente, a partir de lesões precursoras como o HPV. Os principais fatores de risco são:

  • Infecção por HPV (papilomavírus humano): presente em quase todos os casos de câncer cervical.
  • Tabagismo: fumantes têm o dobro do risco de desenvolver a doença.
  • Sistema imunológico enfraquecido: facilita a persistência do HPV e evolução das lesões.
  • Início precoce da atividade sexual: mulheres que iniciaram antes dos 17 anos têm maior risco.
  • Múltiplos parceiros sexuais: aumenta a probabilidade de contágio pelo HPV.
  • Uso prolongado de contraceptivos orais.
  • Multiparidade (muitas gestações).
  • Baixa condição socioeconômica.
  • Obesidade.

Anatomia e função do colo do útero

O colo do útero, também chamado de cérvice, é a parte inferior do útero, que se conecta com a vagina. Ele tem algumas funções importantes:

  • Forma o canal endocervical, que permite a passagem do fluxo menstrual. Também permite a entrada de espermatozoides no útero.
  • Durante a gravidez, o muco cervical forma um tampão que protege o útero de infecções.
  • Apresenta glândulas que produzem muco para lubrificar e proteger o canal cervical e a vagina, mantendo o equilíbrio bacteriano.
  • Possui tecidos e vasos sanguíneos que nutrem o útero na gravidez.

Anatomicamente, o colo do útero é dividido em duas áreas:

  • Exocérvice: parte externa visível na vagina. Apresenta o orifício cervical externo.
  • Endocérvice: parte interna que não é visível. Começa no orifício cervical interno e se une ao corpo do útero.
  • A junção escamo-colunar, região de transição entre os dois tipos de epitélio, é onde geralmente se desenvolvem as lesões que podem progredir para o câncer cervical. Por isso, essa área é o foco do exame preventivo.

Fatores de risco

Existem alguns fatores de risco que estão associados ao desenvolvimento do câncer cervical:

  • Infecção pelo HPV (papilomavírus humano): é o principal fator de risco, uma vez que esse vírus causa alterações nas células que podem evoluir para o câncer.
  • Tabagismo: mulheres fumantes têm o dobro do risco de ter câncer cervical em relação às não fumantes. O tabaco prejudica o sistema imunológico e a ação de células de defesa.
  • Idade: é mais comum em mulheres com idade entre 25 e 65 anos.
  • Atividade sexual precoce: mulheres que iniciaram a vida sexual antes dos 17 anos possuem maior risco.
  • Múltiplos parceiros sexuais: aumenta a chance de infecções sexualmente transmissíveis, como o HPV.
  • Uso prolongado de contraceptivos hormonais.
  • Múltiplas gestações: mulheres que tiveram 5 ou mais gestações apresentam risco aumentado.
  • Imunossupressão: pessoas com o sistema imunológico comprometido, como portadoras de HIV.
  • Baixa condição socioeconômica: dificulta o acesso à prevenção e diagnóstico precoce.
  • Obesidade também pode contribuir para o desenvolvimento da doença.

Opções de tratamento para Câncer Cervical

Existem várias abordagens para o tratamento do câncer cervical, cada uma com seus prós e contras. Vamos explorar essas opções em profundidade.

Cirurgia: é frequentemente o tratamento inicial para câncer cervical invasivo. Pode envolver procedimentos como conização (remoção de cone do colo do útero), histerectomia (retirada do útero), ou mais raramente, exenteração pélvica (remoção de útero, vagina, bexiga e reto).

Radioterapia: usa raios de alta energia para destruir as células cancerosas. Pode ser feita pela braquiterapia (fontes de radiação internas) ou radioterapia externa. Indicada sozinha ou após cirurgia, dependendo do estadiamento.

Quimioterapia: utiliza medicamentos para impedir a multiplicação das células cancerosas. Geralmente é sistêmica (oral ou venosa). Pode ser usada junto à radioterapia ou em casos de metástase.

Terapia alvo: usa medicamentos que atacam características específicas das células cancerosas. Exemplos são o bevacizumabe e o pembrolizumabe.

Imunoterapia: estimula o sistema imunológico do próprio paciente a combater o tumor. O pembrolizumabe é um exemplo de imunoterápico usado no câncer cervical avançado.

Tratamento Personalizado: Cada paciente é única, e o tratamento deve ser adaptado às suas necessidades individuais. Vamos discutir a importância de abordagens personalizadas no tratamento do câncer cervical.

Prevenção e Detecção Precoce

A prevenção é o melhor remédio. Vamos discutir a importância da vacinação contra o HPV e a detecção precoce por meio de exames de Papanicolau.

Encorajamos todas as mulheres a estarem cientes do câncer cervical, suas opções de tratamento e a importância da prevenção. O diagnóstico precoce e o tratamento adequado podem fazer a diferença.

Perguntas Frequentes

Quais são os principais fatores de risco para o câncer cervical?

Os principais são infecção por HPV, tabagismo, início precoce da atividade sexual, múltiplos parceiros sexuais e imunossupressão.

Como é determinado o tratamento mais adequado para o câncer cervical?

Depende do estadiamento, tipo de tumor, idade e condição de saúde da paciente. O médico indicará a melhor opção entre cirurgia, radioterapia, quimioterapia e imunoterapia.

Quais são os principais efeitos colaterais dos tratamentos?

Podem ocorrer náuseas, vômitos, queda de cabelo, diarreia, cansaço, alterações urinárias, intestinais e na lubrificação com a radioterapia. A cirurgia pode causar dor, sangramento e infecção.

O câncer cervical é completamente curável?

Quando diagnosticado no início e com tratamento adequado, as chances de cura são excelentes. Em estágios mais avançados, o prognóstico é reservado.

Como posso agendar exames de detecção precoce do câncer cervical?

Conversando com um ginecologista e agendando a realização periódica do exame preventivo de Papanicolau e outros exames complementares, se necessário.