Cuidados Gravidez

Cuidados necessários com grávidas nos hospitais

É de saber comum que hospitais são ambientes com risco de transmissão de doenças infecciosas pelo motivo óbvio da circulação de muitos doentes, internações e uso de antimicrobianos, o que confere uma “flora bacteriana” diferenciada.

Dessa forma, portadores de doenças crônicas e, principalmente, pessoas com imunossupressão necessitam de cuidado especial ao frequentar o ambiente hospitalar.

Um grupo que se destaca são as gestantes que também possuem um perfil imunológico diferenciado e, assim, precisam de cuidado e atenção redobrada ao frequentar estabelecimentos de saúde.

A começar pela identificação da sua condição de grávida já na recepção do hospital para que protocolos de prevenção de risco sejam instaurados.

Se o motivo da ida ao hospital for uma visita a alguém internado, o mais prudente seria a gestante reconsiderar o passeio para minimizar o risco de contato com doenças infecciosas potencialmente graves.

Porém, se a visita necessita ser realizada mesmo assim, cuidados como uso de máscaras e a lavagem de mãos frequente pode contribuir na diminuição do risco de contágio.

Ambientes como enfermarias, pronto-socorro e, principalmente, unidades de terapia intensiva possuem uma “flora microbiana” peculiar, com germes resistentes e perigosos, devido às inúmeras internações de doentes graves e uso ostensivo de antimicrobianos.

Por outro lado, se o motivo da ida ao hospital for uma consulta em pronto-socorro, a identificação da condição de gestante já na recepção do estabelecimento acionará protocolos de segurança de identificação durante todo o processo de atendimento, a fim de se minimizar erros e riscos desnecessários.

A começar pelo atendimento preferencial para que a gestante passe o mínimo de tempo possível dentro do hospital.

Ademais, existem inúmeras medicações contraindicadas para uso durante a gestação e os profissionais de saúde precisam monitorizar as drogas prescritas todo o tempo.

Outra grande contraindicação durante a gestação é o uso de exames que emitam radiação como radiografias e tomografias computadorizadas.

Como podemos ver, frequentar ambientes hospitalares durante a gestação pode ser uma grande aventura dado os riscos envolvidos.

Assim sendo, é importante que as gestantes identifiquem motivos e situações nas quais a ida ao pronto-socorro é fundamental, a fim de se evitar procedimentos e riscos desnecessários por motivos não urgentes.

Exames como ultrassonografia obstétrica de rotina trimestral, exames de sexagem fetal ou exames laboratoriais para check-up geral não devem ser realizados em ambientes de pronto-socorro e, portanto, não devem ser motivo para a gestante procurar hospitais.

É fundamental que se programe o pré-natal antecipadamente para que os exames rotineiros sejam agendados antecipadamente.

Além disso, ter um obstetra que acompanhe desde o início da gestação assegura uma melhor assistência à saúde da gestante e do bebê, pois o médico saberá a evolução da gestação desde o início e poderá instruir sobre medicamentos apropriados, exames necessários e sinais de alarme de urgência.

Dessa forma, uma boa relação médico-paciente é construída, o que minimiza idas desnecessárias ao pronto-socorro, pois o fácil acesso ao médico permite que dúvidas sejam sanadas rapidamente.

Assim como alguns pacientes que ganham alta do hospital, mas precisam de um acompanhamento em casa com alguns cuidados especiais, algumas grávidas optam por colchão especial para ter mais conforto na hora do sono.

O que é o exame de sexagem fetal

A lista de exames obrigatórios e opcionais para uma gestante é bem diversa, mas inclui, em sua essência, os seguintes exames:

  • Monitoramento via exames de sangue
  • Exame de urina
  • Exames de imagens, como ultrassonografias
  • Exames ginecológicos

Um dos exames que não são obrigatórios mas pode ser realizado pelos pais que querem descobrir o sexo do bebê antecipadamente é o exame de sexagem fetal.

Normalmente, pode-se descobrir se o bebê é menino ou menina a partir da décima quinta semana de gravidez, por meio da ultrassonografia.

Porém, o exame de sexagem fetal adianta esta descoberta já para quinta semana de gestação, por meio de um exame de sangue gravidez preço.

O procedimento é simples, sendo coletado sangue materno a partir do qual é possível detectar, além do DNA da mãe, o DNA fetal livre. A partir do momento em que o cromossomo Y é descoberto, é dado o diagnóstico de menino.

Quando não há a presença dele, trata-se de uma menina. O exame de sexagem fetal valor pode variar, a depender do local a ser feito.

O que tem em um quarto de hospital

Um quarto hospitalar deve ser composto por alguns itens indispensáveis, como uma cama com colchão hospitalar, que pode ser manual ou automatizada (isso varia de acordo com a modernidade do hospital).

Armários para guardar os pertences pessoais do paciente e acompanhante, quadro de avisos para anotar as observações de cada paciente, estação de higiene, chuveiro com barra para apoiar as mãos, sistema de ventilação, bomba de difusão automática, cadeira de banho.

Para manter a higiene, também é importante uma capa de colchão. Dependendo do hospital, os leitos são coletivos, ou seja, com mais de um paciente, ou então privativos, em que apenas uma única pessoa é atendida.

Em alguns casos, quando o paciente tem alta e vai para casa ainda debilitado, os familiares optam pelo aluguel de cama hospitalar ao invés da compra, pois acaba não sendo necessário um investimento tão alto para algo que vai ser utilizado apenas por um período de tempo determinado.

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *