Sem categoria

Análises clínicas: o que é preciso saber sobre exames?

De acordo com a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), as doenças cardiovaculares são a principal causa de morte em todo o mundo, por isso exames são importantes.

Estima-se que cerca de 17,5 milhões de pessoas são acometidas e falecem por esses problemas, o que representa 31% de óbitos a nível global. No Brasil, a situação não é diferente: a média de falecimentos é de 350 mil pessoas por ano em decorrência de problemas cardíacos e vasculares.

No entanto, é possível mudar essa realidade com a adoção de hábitos saudáveis, incluindo uma dieta balanceada e a prática de exercícios físicos.

Ademais, é importante que todos façam um check-up anual, que inclui a realização de exames cardiovasculares, procedimentos de análises clínicas e consultas periódicas com médicos, como forma de avaliar as condições de saúde e, ainda, realizar o diagnóstico precoce de possíveis doenças.

Principais exames de check-up para avaliação médica

As análises clínicas consistem em um conjunto de exames de check-up, que tem como objetivo avaliar o estado de saúde de um paciente e investigar doenças.

Elas fazem parte dos procedimentos de rotina, normalmente requisitados por um médico, já que os testes são os principais responsáveis pela averiguação das informações de saúde. Entre os exames populares solicitados pelos médicos, destacam-se:

  • Exame de sangue;
  • Exame de urina;
  • Exame de fezes;
  • Exames do coração.

Em geral, os exames solicitados nas análises clínicas podem ser colhidos diretamente no laboratório ou em uma clínica especializada. Por vezes, o paciente pode levar a amostra diretamente no estabelecimento, sem necessidade de coleta do material no local.

Nesse último conjunto de testes, os exames do coração, as avaliações consistem em verificar como está a saúde do coração, especificamente.

Os procedimentos são realizados em estabelecimentos especializados, como a clínica de cardiologia, e são indicados para pessoas que já apresentam histórico de hipertensão na família ou foram diagnosticadas com problemas cardíacos.

Em alguns casos, o médico também pode solicitar os exames do coração dependendo dos sintomas relatados pelo paciente durante a consulta.

Os exames do coração podem diagnosticar a presença de problemas cardíacos, como arritmias e taquicardias ou bradicardias, quando o peito bate rápido ou devagar demais, respectivamente.

Além disso, eles podem apontar possíveis suspeitas de infartos, que são confirmados após a realização de outros exames. Os procedimentos de avaliação cardíaca também verificam se há falhas na condução elétrica do coração.

O eletrocardiograma (ECG) é um dos exames do coração mais conhecidos. Ele faz parte da lista dos testes de check-up, bem como nos procedimentos de triagem dos prontos-socorros.

De maneira geral, um aparelho com eletrodos é colocado no paciente, para avaliar o ritmo dos batimentos cardíacos em repouso. Dessa forma, é possível verificar se o coração está apresentando anormalidades, ou se os batimentos não estão corretos.

Como são os exames realizados em hospitais?

Ao diagnosticar alguma doença ou diante de uma situação emergencial, o paciente pode ser internado às pressas e, assim, as análises clínicas e exames são realizados diretamente nos hospitais.

Assim como em clínicas e laboratórios, os procedimentos visam testar e verificar as condições de saúde, sendo uma forma precisa de observar a ocorrência de anormalidades.

No caso dos exames do coração, o primeiro procedimento é feito diretamente pelo médico, com a auscultação dos movimentos cardíacos com o uso do estetoscópio.

Apesar do ECG ser muito mais preciso, durante ações emergenciais, os estetoscópios funcionam como um instrumento extremamente ágil para verificar as condições de saúde do paciente.

Além disso, no caso de internações e, após passar a ansiedade de momentos emergenciais, os pacientes são auscultados com frequência, pois todas as informações aferidas irão servir de base para atestar as condições de saúde e, dessa forma, orientar o melhor tratamento.

Sendo assim, é importante que a cama hospitalar tenha um espaço destinado para facilitar a auscultação, bem como a coleta de demais materiais para exame (sangue, urina e fezes).

Ademais, é preciso que a cama seja confortável também para o paciente, em especial, para os indivíduos que permanecem em constante repouso.

No mais, vale destacar que os exames realizados diretamente nos hospitais também utilizam agulhas, seringas e outros instrumentos de coleta.

Nesse sentido, é imprescindível que os hospitais tenham um contato direto com uma boa distribuidora de seringas e agulhas, para o fornecimento rápido desses componentes.

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *